Carta a Victor Hugo

incendie-notre-dame-fleche-mQuerido Victor Hugo,

Se pudesses sentir a dor desta perda estarias destroçado. Todo o imaginário que criaste está a ser partilhado pelas pessoas pela pior das razões. A tua Notre Dame de Paris ardeu de uma forma inimaginável num século em que primamos pela segurança sem conseguirmos assegurar a intangibilidade de vários desastres.Victor_Hugo

Não vale a pena encontrar culpados, depois da memória secular que se perdeu. Podemos duvidar de quem efectuava os trabalhos de restauro, do Vaticano que cuida menos das suas obras do que deveria, das administrações públicas e do seu tempo de resposta… Podemos duvidar de tudo e o resultado será o mesmo.

O deflagrar das chamas que um dia imortalizaste e que a Disney perpetuou aconteceu. O Quasimodo aparece nas nossas memórias, com o seu choro a tornar-se dolorosamente mais verdadeiro.

Quanto a mim, vivo a mesma sensação que experienciei com os últimos concertos do Pavarotti. Recebi a devolução de três bilhetes, primeiro por lesão, depois por doença e depois pela sua morte. Cheguei atrasado.

notre dameQuando visitei a tua cidade, deixei a Notre Dame para o fim e, na primeira vez, o vento fez encerrar a torre mais cedo. Da segunda vez, não tive tempo de a visitar.

Partilho a dor que tu terias. O presente faz questão de nos lembrar da pior forma que nada é eterno e que aquilo que consideramos perene pode desaparecer.

Curiosamente, a melhor referência que teremos da Notre Dame é tua.

Talvez seja essa a lição a tirar. Apenas a memória, as histórias dentro da História e aquilo que vivemos permanecem. O resto é tão efémero quanto nós.

quasimodo_articleimage

Anúncios

A maturidade viajante (por Rafaela Oliveira)

Foto RafaViajar para mim é algo de extremamente emocional. Não viajo apenas para conhecer novos lugares. Viajo porque quando ouço falar da temperatura do mar, do sabor das comidas ou da imponência deste ou daquele lugar, automaticamente imagino a minha reacção a esses sítios e sensações.

Enquanto um lugar é desconhecido para mim, tenho que me contentar com a minha imaginação. Mas depois de lá estar, de pisar o chão, de sentir a energia que vibra no meio de todas as pessoas, começo a criar as minhas memórias. Sim, as memórias criam-se no presente. Gosto de pensar que tenho uma certa dose de inteligência geográfica: onde quer que vá, veja o que vir, nunca volto igual, trago sempre algo mais comigo. E da maior parte das vezes, não se trata de nada palpável. Vive apenas nesse grande centro emocional que é o cérebro…

E esta forma como encaro o acto de viajar também me fez chegar a uma conclusão ao longo dos anos, a de que ganhamos maturidade viajante. Por volta dos meus 16 fiz uma das viagens que mais me marcou, por diversos factores. E recordo-me hoje, com a mesma clareza da altura, da melancolia que sentia enquanto fazia a viagem de regresso a Portugal (cerca de 2000 km de autocarro, deu-me tempo para deixar a melancolia atingir limites recorde!). Sentimentos próprios da idade, mas na altura também me lembro de pensar que se era para me sentir assim sempre que viajasse, tinha que pensar duas vezes antes de voltar a fazer as malas. Mas esse grande senhor, cheio de classe e sabedoria, de nome tempo, encarregou-se de me mostrar que até em algo tão trivial como viajar há sempre lições a tirar. E, decididamente, não sou a mesma hoje quando parto de viagem, seja dentro ou fora, por muito ou pouco tempo.

A viajante que sou hoje em dia aproveita cada minuto, não como se não houvesse amanhã, mas para poder sentir essa plenitude que é falar de um lugar como se ainda lá estivesse.

Turismo de Portugal

Captura de ecrã 2018-12-02, às 16.54.56.png

O site www.visitportugal.com venceu o prémio de Melhor Site Oficial de Turismo Mundial dos World Travel Awards e o organismo responsável pela promoção deste sector nacional saiu vitoriosa na categoria de Melhor Organismo Oficial de Turismo Mundial.

Portugal mostra-se ao Mundo com uma imagem algo diferente daquela com que por vezes nos caracterizamos. Por vezes, prolongamos os estereótipos fazendo deles profecias auto-concretizáveis. Acomodamo-nos à imagem que criamos de nós mesmos e vivemo-la internamente.

Quando somos sujeitos à avaliação de terceiros os factos são diferentes. Somos vistos como um povo de trabalho, de superação pessoal, de aculturação positiva em comparação com emigrantes de outras origens.

Estes prémios valem mais do que as categorias a que dizem respeito. Valem pela atestação fidedigna, feita prova, de que somos muito mais do que pensamos ser.

Numa conversa casual, por altura de uma das minhas viagens, uma senhora afirmava-me que tinha adorado o sul do nosso país, que tinha pena de ainda não conhecer o norte e que alimentava o sonho de viver em Portugal. Porque temos mar, temos bom clima, temos qualidade de vida, somos hospitaleiros, temos uma das melhores gastronomias do mundo, temos preços baixos para o nível de vida dos estrangeiros e temos muita História. Ouvir tudo isto da sua voz, numa situação que não exigia qualquer tipo de elogio por simples simpatia, despertou em mim o orgulho de pertencer à nossa gente.

Houve uma altura em que, para além de pensarmos que a galinha da vizinha era melhor do que a nossa, tínhamos mau marketing. Agora, o único passo que nos resta é repetir em surdina que as galinhas alheias não são melhores, são apenas diferentes.

O marketing do Turismo português ganha pelos seus argumentos simples. Não precisamos de elaborações grandiosas,  basta mostrar o que sempre tivemos. Basta demonstrar como somos.

Se isso é suficientemente bom para quem nos vê do lado de fora devia ser motivo de orgulho para nós.

Somos um destino de eleição, mas temos um caminho a percorrer enquanto portadores da nossa identidade nacional.

Há sempre um destino, mas o que conta é a viagem.

Qual é a forma certa de viajar? (por Ricardo Alves Lopes)

38631868_10212552814471535_358901455962243072_oConvém referir já: este texto não é propriamente sobre viagens. É uma batalha com que me tenho debatido em muitas questões da minha vida e da sociedade em que vivemos. É sobre o certo e não certo.

Em primeiro lugar, não há uma forma certa de viajar. Isto é a minha tal batalha interna e, mesmo, externa. Procuramos em tudo um certo e, com isso, damos pouco espaço ao incerto, ao improvável e, na verdade, ao incrível. O viajar é apenas mais um exemplo!

Vivemos numa era de colecionadores, mas onde tudo é efémero. Reparam na ironia? Juntar, para rapidamente esquecer. É assim que vivemos. E nas viagens isso reflete-se, também. Com a chegada dos blogs, redes sociais e tantas outras plataformas de partilha muito imediata e amplamente difundível, aumentamos a necessidade de ser incríveis. Precisamos estar alerta e em grande plano a todo o momento, senão o blog de viagens do lado surge mais vezes, com mais destinos, com mais experiências, e ficamos para trás. Sem audiência.

Este padrão de consumo atual, rápido, curto e efémero – propositadamente redundante! – influencia a forma como viajamos. Um fim-de-semana fora na companhia da nossa namorada não pode ser para nos deitarmos de papo para o ar, na areia, com o sol a tostar e o mar a zumbir pequenos assobios de mindfulness na nossa cabeça. Isso é desperdiçar uma viagem. Devíamos aproveitar para conhecer as terras em volta, os monumentos que a cidade oferece e a diversidade da zona, com praia, sim, mas também montanhas e arquitectura clássica. Não é?        

Eu acho que não. Isto é colecionar, à força, momentos. Não é tão boa a sensação de irmos a um sítio, gostarmos tanto, e termos vontade de um dia lá voltar para ver o que falta?

É.

Mas actualmente não aceite. Temos que ir, ver e fotografar. Muito. Bastante. A toda a hora. Aproveitar todos os momentos. Para que a viagem seja realmente incrível é quando voltarmos e contarmos aos nossos amigos, família e conhecidos. Porque lá nem tivemos tempo para saborear uma paisagem, parar numa esplanada, ouvir uma pessoa local a falar ou sentir o sol a queimar. Seja no Algarve, na Indonésia ou na América do Sul.

Mas isto é a forma errada de viajar? Não. Eu já fiz viagens assim que adorei. Só quis que pensassem nisto. Mas, como disse quase no início do texto, não há uma forma certa de viajar. Interessa é que gostemos.